Pragmático QB

Pragmático QB

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Tondela 0 vs FC Porto 1 - 13.08.2017 - Liga Portuguesa

Quando falta camarão, serve-se tremoços e amendoins.

Tondela, essa equipa maldita que nos 4 únicos confrontos anteriores, nos tinha retirado pontos por duas vezes, hoje esteve perto embora longe, de nos empatar a vida pela terceira vez. A equipa do Porto e acredito que o próprio Sérgio Conceição, bem gostariam de ter servido camarão, lagosta e ameijoa aos portistas que estiveram no estádio e aos 74 milhões de azuis e brancos espalhados por esse mundo fora mas tal não foi possível. Em vez disso, presentearam-nos com o belo do tremoço, e o nunca fora de moda amendoim, acompanhados da bela cuca, que é como quem diz, dos 3 pontos.

O Portista é um adepto difícil, complicado, exigente mas também é um adepto realista. 4 anos a seco deixaram-nos com a mente bem aberta, sabemos que nem sempre vamos ter ópera nem orquestras como no jogo com o Estoril, sabemos que para sermos campeões, vamos ter de assistir a muito concerto chunga e foleiro, de baixo orçamento, típico de festas populares. Sabemos também que o ano passado fodemo-nos em jogos como este, em que não sendo possível jogar um futebol espectacular, teríamos obrigatoriamente de ganhar, fosse de que maneira fosse, e muitas vezes não o conseguimos. Acredito que nos jogos do Dragão teremos mais goleadas mas fora de casa não vai fugir muito disto, equipas fechadas, muito pontapé na frente à espera de um "Mano", porradinha basta. O Tondela do Pepa, podia ser o Tondela do Petit, não se nota muita diferença, até porque nenhum dos 2 foi à flash-interview por não ter o 4º grau do curso de treinador, mas podem sentar-se no banco e ir à conferência de imprensa. Paneleirices.


Estilo de jogo - Penso que já todo o adepto portista e adversário minimamente atento, percebeu como funciona o 4-4-2 do Sérgio Conceição. Os extremos vêm para dentro com bola, os laterais sobem e cria-se a dúvida no adversário, que tem funcionado muito bem neste inicio de época. Brahimi e Corona encaixam que nem uma luva neste modus operandi, porque tanto um como o outro, não são jogadores de irem à linha, preferindo deambular para o centro, escacando defesas através do drible. Ricardo e Telles, dois laterais com uma grande propensão ofensiva, dão aquela segunda solução para surgir um cruzamento que normalmente encontra muito azul e branco na área. A forma de jogar tem sido esta, o Porto sabe, o adversário também, o emigrante também acho que já se apercebeu, mas a coisa funciona, vamos ver até quando e qual o Plano B.
Controlar o jogo -  A equipa tentou aumentar o score para acabar o jogo de uma forma mais descansada, mas a verdade é que não tendo conseguido marcar o segundo, também não se pode dizer que tenhamos passado por muitas aflições. Uma cagada do Iker, salva por Telles e um remate do Wagner, foi a melhor coisinha que o Tondela conseguiu em todo o jogo.
Aboubakar - O MVP do jogo. Um golo, o único da partida e uma bola com estrondo no poste, é para mim difícil escolher outro MVP, que não o autor do unico golo do jogo. Perdulário no jogo com o Estoril, mais assertivo em Tondela, o camaronês está na luta para uma grande época. 
Marega -  O maliano impressionou com os dois golos no jogo anterior, mas houve um factor que me impressionou pessoalmente no jogo de hoje, o Marega vai correr a qualquer bola seja em que situação e zona do campo for, e vai fazê-lo durante os 90 minutos. Não lhe peçam trivelas, virgulas, ou pontapés de bicicleta, mas aquela pele morena vai ficar constantemente em campo. 
Corona -  O Jesus percebeu o meu aviso e hoje partiu a louça toda. Bem melhor no aspecto físico do que à uma semana atrás, foi no capitulo técnico um autêntico abre latas. Esteve perto de marcar, mas um corte do ex-portista David Bruno impediu-o de brilhar depois de um slalom gigante. O entendimento com o Ricardo parece estar a resultar muito bem.  
Os laterais -  Não sei se o Ricardo e o Telles vão aguentar a época toda, mas percebe-se que na forma como o Sérgio quer que a equipa jogue, estes dois meninos vão ter um enorme protagonismo. Fazem-me lembrar o Alonso e o Moses no Chelsea, embora os ingleses joguem com uma defesa com mais um elemento que o Porto. Mais uma vez, tiveram grande dinamismo e estiveram nos principais lances de ataque da equipa.


Primeiro golo -  O golo inaugural está a demorar mais do que certamente todos o desejaríamos e "só" tem surgido nos último quarto de hora da primeira parte, embora nos 2 jogos não tenham faltado oportunidades para marcar mais cedo. Uma situação a rever porque não teremos sempre a sorte de haver Mano`s ou remates enviesados que se transformam em assistências. 
Danilo -  O panzer negro nipónico está em baixo de forma ou tem instruções para jogar daquela forma? Uma dúvida que mantenho após os dois jogos oficiais.
Felipe - Sou teu fã e tu sabes disso, mas tens de ser um pouco mais inteligente a jogar. Já percebemos que queres ganhar todas as disputas, seja no ar, chão, ou água mas um pouquinho menos de impetuosidade, evitará que leves menos amarelos e consequentemente, vermelhos. 

Mais fotos do jogo, aqui.

Saudações Portistas e até para a semana. 

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

FC Porto 4 vs Estoril 0 - 09.08.2017 - Liga Portuguesa




Errar é o Mano.

O Pragmático voltou e a culpa é do Sérgio. 9 meses passaram desde a última posta. 9 meses. Foi num Porto - Chaves da época passada, num jogo dificílimo, ganho por 2-1, com golos do Depoitre e do Danilo. Foi uma vitória épica, conseguida num jogo em Dezembro do ano passado. Foi um jogo que, tal como hoje, me fez voltar a escrever depois de um hiato de praticamente um mês. Tive muita vontade de escrever porque o faço com gosto e nunca por obrigação mas admito que o meu portismo andava em baixo, sossegado a um cantinho, à espera de algo ou alguém que o fizesse reanimar e acreditar que a chama poderia ser acesa novamente. Esse algo ou alguém, chama-se Sérgio Conceição, um treinador que embora não fosse a minha escolha, me conquistou imediatamente após a primeira frase na conferência de imprensa de apresentação. Um treinador que transpira confiança, um treinador que embora não sendo o melhor do mundo, age como tal, um treinador que sabe o que é ser Porto, um treinador que através da sua postura, nos faz acreditar a nós, adeptos do maior e melhor clube do mundo, que tudo é possível daqui em diante.

Vamos ao jogo, sem perder mais tempo. Primeiro jogo oficial da época na fortaleza do Dragão, primeira vitória da época. Goleada. Espectáculo. Pedro Emanuel conhece bem a casa que visitou hoje, e comanda um Estoril que vinha de uma brilhante pré-época onde tinha ganho 7 jogos dos 8 disputados. Eram dois factores a ter em conta mas do outro lado estava um Porto igualmente forte, de cara lavada, com uma pré-época que serviu para juntar as tropas, reeducá-las e prepará-las para uma guerra que se prevê brutal. O nosso Mister não inventou e lançou a equipa esperada, o nitidamente o 11 que lhe dá mais confiança. 4-4-2, um esquema do qual sou fã, e que me parece o mais correcto para ser executado me 90% dos jogos da Liga Portuguesa. A equipa começou nervosa, indecisa entre a vontade de arriscar e jogar rápido com um futebol ao primeiro toque, à imagem do que fez quase sempre nos jogos amigáveis, e um futebol mais pausado, mais calculado, com a bola a passar praticamente por todos os jogadores da equipa. A equipa falhou muitos passes mas também recuperou muita bola, não deixando o Estoril criar perigo na baliza do Iker. Algumas oportunidades falhadas, dois golos anulados (e bem!), e o golo tardava em aparecer. Um parêntesis, quem apostar no Placard, escolher Porto INT parece-me uma excelente hipótese esta época. Adiante. O golo chegou da maneira mais improvável, com um erro de um jogador do Estoril porque "errar é o Mano" e nestas situações, Deus perdoa mas o Lorde Marega não. A lata estorilista estava aberta, o que permitiu encarar a segunda parte de uma forma mais tranquila e menos precipitada. Os golos foram surgindo naturalmente, entraram 4 batatas mas poderiam ter entrado muitas mais, caso o Vincent tivesse guardado parte da sua veia goleadora para os jogos a sério. Concluindo, vitória justíssima, com aquela goleada que sabe sempre bem.


MVP do Jogo - Marega. Entrou aos 32 minutos para o lugar do lesionado Tiquinho, marcou e desbloqueou o jogo aos 35. Um goleador é mesmo assim, não precisa de muito tempo, nem muitas oportunidades para castigar as defesas adversárias. Marega é um Lorde e gostava que na camisola usasse a palavra Edrol, que é nem mais nem menos que o Lorde escrito ao contrário. Como se não bastasse o maliano repetiu a gracinha e marcou novamente na segunda parte. O Moussa é mesmo assim, um talento nato, uma força da natureza, um jogador que a pedido da massa associativa leonina, entrou e fez estragos, muitos estragos. 60 minutos em campo, 4 remates, 2 golos. Lindo.

Aboubakar - Depois de uma pré-época onde se fartou de massacrar e martelar as balizas adversárias, hoje teve calminha e foi solidário com o mouro Moreira. Segundo o site GoalPoint, foi o jogador com mais remates no jogo (9) e bateu o recorde da época passada (8), logo na primeira jornada. O Vincent é mesmo assim, um panzer à solta, que muitas alegrias nos vai dar, infelizmente hoje não foi o dia, mas foi nítido que tudo fez, embora "errar é o Mano". 
Óliver -  Começa a época com uma saúde física invejável, com uma qualidade de passe pornográfica e com um penteado que não lhe fica mal. Vou-me amar em Freitas Lobo e dizer que Óliver é um 10 mascarado de 8, na sala de máquinas que é o meio campo azul e branco. Ainda não o vi jogar mal esta época e cheira-me que só devo ver a partir de Janeiro, altura em que as costuras do espanhol devem começar a ceder.
Marcano - Aquele estilo de quem não parte um prato encaixa que nem uma luva no central. Parece que não faz mal a ninguém mas a verdade é que com ele em campo, pouca coisa pode ferir a baliza portista. Como se não bastasse esta forma de estar em campo, ainda marca, o que me leva a dizer que senão existisse o Hummels, o Marcano era o melhor central do mundo.
Brahimi - Há merdas que nunca mudam e no caso do Brahimi, ainda bem. O rotundas começa a época em grande forma, com golos, fintas, rodopios sobre si mesmo, luta constante pela bola. O argelino dá a ideia de ser daqueles gajos mimados, que precisa de um treinador que lhe diga que ele é o melhor jogador do mundo. Não sei se o Sérgio é o gajo certo para isso, para pelo que se tem visto, é uma relação pai/filho que tem funcionado muito bem.



É o primeiro jogo, não vou bater em ninguém, mas Corona, se não atinas rápido, cheira-me que és o primeiro a entrar na famosa rotatividade. 

Mais fotos do jogo aqui.

Saudações Portistas e até para a semana.