Pragmático QB

Pragmático QB

sexta-feira, 17 de abril de 2015

FC Porto 3 vs Bayern München 1 - 15.04.2015 - Liga dos Campeões























Panzers minados com inteligência.

Aqui no norte, terra onde nasci e cresci, diz-se que o "foda-se" é usado como virgula e o "caralho" como ponto final. O "caralho" serve também como unidade de medida para tudo e exemplifico com um "grande cumó caralho", "longe cumó caralho", "feio cumó caralho", "pesado cumó caralho", só para citar alguns. A verdade é que na passada quarta-feira o nosso amor comum, o ENORME Futebol Clube do Porto me fez sentir feliz e orgulhoso "cumó caralho". Não tenho uma bola de cristal e não sei o desfecho final desta eliminatória mas este gostinho de ter ganho 3-1 a uma das maiores equipas do mundo, senão a melhor, já ninguém nos tira. Raça, Querer e Ambição, tudo factores que fizerem com que todos os Portistas vivessem mais uma grande noite europeia.

Foi acima de tudo um jogo pleno de raça, competência e muita inteligência. O Porto assumiu o maior poderio do adversário e prescindiu de alguma posse de bola, em prol de um excelente posicionamento defensivo em campo. 2-0 aos 10 minutos? Haveria algum portista no mundo, por mais crente que fosse, que acharia este resultado possível contra o todo poderoso Bayern? Com certeza que não. O Porto divorciou-se da forma pastosa que tem sido as entradas em campo nos jogos do campeonato e fez uma entrada à Porto. Foi contra os panzers alemães, a marchar, marchar. Fez as feridas no adversário porque sabia onde este era vulnerável - todo o mérito para Lopetegui que preparou melhor o jogo do que o seu compatriota Guardiola. Alonso sentia sempre o bafo do Jackson no cachaço  e Herrera e Óliver seguiam Thiago e o Lahm para todo o lado. Diz-se que os dois médios do Porto levaram a coisa demasiado à letra e foram atrás dos bávaros até ao autocarro, já depois do espanhol Velasco Carballo ter terminado o jogo. Dante, Boateng e Neuer divertiam-se trocando a bola entre eles. Fruto desta pressão alta, Jackson encosta no Alonso, fana-lhe a redondinha e perante o melhor guarda-redes do mundo, mete a bola ao lado e espera pela falta. Penállti aos 2 minutos, lindo. Velasco gastou a coragem toda ao marcar o castigo máximo, e poupa Neuer à expulsão. Quaresma pensou "com Neuer ou sem, vou enfiar a bola no saco!", beijou a menina, e tau, golo do Porto. Estádio em delírio e Bayern atordoado com a pancada. Dante pensava que estava a fazer uma peladinha no Catuense, quando tarde demais, repara que o Gipsy Mustang lhe saca a bola e isolado à frente do muro alemão, pergunta-lhe para que lado quer, e espeta o 2º golo. Estádio vem abaixo, Quaresma salta e os alemães finalmente percebem o jogo já tinha começado à 10 minutos atrás. Uma pequena confidência, vi o jogo em casa mas não vi o 2º golo porque estava a mudar a fralda cheia de Muller à minha filha. O Bayern é um colosso, cheio de jogadores que já ganharam muita coisa por isso estar a perder 2-0 contra uma equipa portuguesa aos 10 minutos, é uma filha da putice. Os meninos levaram a mal, partiram para cima do Porto, chegando ao golo num lance improvável, aproveitando o desposicionamento da equipa - Boateng vai à linha cruzar e Thiago finaliza à ponta de lança. O Porto sente o golo e até ao intervalo praticamente só defende, não conseguindo lançar um ataque que  permitisse pelo menos assustar o Bayern. 

A 2ª parte mostrou um Porto sóbrio, que sabia que tinha retirar alguma posse de bola ao Bayern, e criar situações de golo para pelo menos pôr os alemães em sentido. Casemiro quase marca um golo olímpico, num lance em que Neuer se arma em Fabiano e logo de seguida uma excelente jogada do ataque portista, obriga Neuer a desviar para canto um possível auto-golo de Boateng. Estava criado o perigo na baliza bávara necessário para que o Bayern percebesse que estávamos vivos e de boa saúde. Nesta altura e quase como em toda a 1ª parte os centrais portistas limpavam tudo, não jogavam bonito mas não inventavam. Numa boa saída para o ataque, Alex Sandro viu que Jackson estava mo meio dos 2 centrais alemães - coisa pouca para o colombiano - faz o passe longo, Boateng "recusa-se" a cortar e o 9 portista finta Neuer, que teve medo de fazer o 2º pénalti, fazendo o 3º e dando alguma justiça ao resultado. Até final o Bayern só teve um lance de perigo numa cabeçada de Dante, apesar do nada normal ataque à baliza portista através de algum chuveirinho. É certo que não tivemos, nem podíamos ter os habituais 60% de posse de bola, mas aproveita-mos bem as abébias defensivas dadas pelo Bayern e construímos um resultado que nos permite acreditar que é possível passar esta eliminatória. Alex Sandro e Danilo viram amarelo, que os retira da 2ª mão mas é "só" mais um contra-tempo no que se espera ser um jogo épico.


Lopetegui - O basco deu uma prova inequívoca de competência. Estudou bem o Bayern do seu amigo Guardiola, atacou-o em força onde percebeu que havia lacunas e montou uma equipa lutadora, capaz de se transcender. Mexeu bem nas alturas necessárias e prova disso é a 2ª parte "descansada" que Fabiano teve. Vénias para ti, Julen.
Jackson - O que mais dizer acerca do nosso avançado? World Class Player! Melhor em campo por tudo o que fez e fez mesmo tudo. Defendeu, defendeu, defendeu, lutou até cair, sacou um pénalti, marcou um belo golo. Esteve lesionado mais de um mês? Não acredito. Vais embora mas vais pela porta grande. Vitor Pereira e Paulo Fonseca melhoraram o colombiano, mas é com o basco que temos um Jackson completo em todos os aspectos do jogo. Vénias para ti, Julen.
Quaresma - No futebol como na vida, às vezes vale a pena confrontar outra pessoa, dizendo-lhe umas verdades, chateando-se. Pelos vistos e segundo reza a lenda, foi o que aconteceu entre o Quaresma e Lopetegui e como se percebe foi o melhor que podia ter acontecido ao menino. Está numa forma soberba, com muita confiança. É um Quaresma à Quaresma mas mais responsável e altruísta. Um jogador à Porto como nunca o foi na carreira. Vénias novamente para ti, Julen.
Casemiro - Ainda alguém tem coragem de dizer que o espanhol é fraco? Grande jogo! Um pulmão incansável, sempre na luta, sempre a disputar cada lance como se a sua vida dependesse disso. Os centrais portistas podem dormir descansados enquanto o brasileiro estiver no Porto. Quase marcava um golo que certamente seria o melhor da sua carreira.
Óliver - O menino voltou a fazer um belo jogo. Muito batalhador no meio campo, sempre em jogo com aquelas fintas curtas que tanto o caracterizam. Um dos grandes responsáveis pelo "emperraranço" do jogo alemão. Foi substituído quando Lopetegui percebeu que era preciso refrescar o meio campo, dado que o alemão Rode tinha entrado com a corda toda.
Herrera - Completamente desastrado no capitulo do passe, sublime na entrega ao jogo. É um jogo à Herrera, capaz do melhor e pior durante a mesma partida. 
Alex Sandro e Danilo - Muitos fortes a defender, Muller e Gotze pouco fizeram, também muito por culpa dos extremos portistas que defenderam muito e bem. Atacaram sempre que possível num jogo de muita raça e sacrifício. Viram ambos o amarelo que o excluí da 2ª mão. Serão só mais 2 pedras no nosso caminho.
Maicon e Indi - A dupla M&M's desta vez formada por Maicon e Martins Indi que tiveram o espírito de batalha necessários para secar o ataque alemão fosse de que maneira fosse. Jogaram muitas vezes feio mas não inventaram nem complicaram. Indi, ao contrário do que tem sido habitual ganhou muitos lances de cabeça e Maicon muito provavelmente atravessa o melhor momento da carreira.


Brahimi - Depois de um jogo destes, custa-me dar nota negativa a alguém mas a verdade é que o argelino destoou dos companheiros. Aquela necessidade exacerbada de fazer sempre mais uma finta, de dar sempre mais uma voltinha antes de soltar a bola, emperrou alguns contra-ataques portistas. Por outro lado foi esse mesmo segurar da bola que desesperou os alemães. Não fez um mau jogo, mas destacou-se dos restantes 10.
Velasco Carballo -  A coragem que teve em marcar pénalti de Neuer sobre Jackson, faltou-lhe para expulsar o melhor guarda-redes do mundo. 88 minutos da 1ª mão, mais 90 minutos de terça-feira com Reina, não seriam de todo a mesma coisa. A mostragem dos cartões amarelos foi também de uma dualidade de critérios gritante.
As putinhas do Bayern - Muller, Gotze, Lahm e Bernat, 4 exemplos de uma equipa repleta de meninos que passaram a vida a fazer queixinhas. Guardiola chegou o Munique e trouxe TODA a escola Barça consigo.











2 comentários:

Miguel Lima disse...


@ Rui

que filha da puta de prosa do caralho!
foda-se! sim senhor, caralho!
gostei, foda-se!

ps:
o Casemiro é um brasuca do caralho, ao ponto de já ninguém se lembrar do Fernando

abr@ço forte
Miguel | Tomo III

Rui Rodrigues disse...

Um jogo inspirante merecia um comentário inspirado.

Grande abraço.

Saudações Portistas.